Doação de sangue: você sabia que cães e gatos podem doar e receber?

Crédito da imagem: IndyVet

Doar sangue salva vidas…humanas e também de animais. 💚

14 de junho marca o Dia Mundial do Doador de Sangue, uma data que merece ser celebrada e um gesto a ser estimulado. Abaixo, veja as especificidades sobre a doação de sangue de cães e gatos.

A transfusão de sangue pode salvar a vida de cães e gatos que sofreram acidentes ou foram diagnosticados com doenças que causam anemia.

Câncer, condições hepáticas, problemas de coagulação, doenças autoimunes ou transmitidas por carrapatos são alguns exemplos.

Assim como acontece com os humanos, a doação entre animais requer compatibilidade.

Entre os cachorros, há sete tipos sanguíneos principais – DEA 1 (dividido nos subtipos DEA 1.1, 1.2 e 1.3) DEA 3, DEA 4, DEA 5 e DEA 7.

Entre os gatos, são três – Tipo A, B e AB.

Requisitos para doação de cães:

– Ter entre 1 e 8 anos.

– Pesar 27 kg ou mais.

– Ter temperamento dócil.

– Estar com vacinação e vermifugação em dia.

– Ter controle de pulgas e carrapatos atualizado.

-Não apresentar doença ou transfusão prévia.

Requisitos para doação de gatos:

– Ter entre 1 e 7 anos.

– Pesar 4 kg ou mais.

– Ter temperamento dócil.

– Estar com vacinação e vermifugação em dia.

– Ter controle de pulgas e carrapatos atualizado.

-Não apresentar doença ou transfusão prévia.

Como a doação é realizada:

– O processo é rápido (dura entre 15 e 20 minutos), seguro, indolor e não requer sedação.

– Cães podem doar até 450 ml; gatos doam cerca de 40 ml.

– Após a doação, os animais podem se sentir cansados.

– Converse com o veterinário do seu pet sobre o assunto e procure um banco de sangue animal na sua cidade.

Entenda o que são espécies exóticas invasoras

Talvez você tenha acompanhado notícias recentes sobre a presença do peixe-leão em Fernando de Noronha. A espécie é nativa dos oceanos Índico e Pacífico e ainda não se sabe como chegou ao mar do Caribe e se espalhou. 

Segundo pesquisadores, o peixe-leão representa riscos para o ecossistema local e para seres humanos e não possui predadores naturais em Fernando de Noronha.

Abaixo, saiba o que são espécies exóticas invasoras e por que elas são um problema sério.

São espécies que, quando introduzidas fora de seu território natural, conseguem se adaptar, se estabelecer, se reproduzir e formar populações no novo local.

A ausência de predadores naturais e a abundância de presas sem defesas eficientes contra os animais recém-chegados faz com que as espécies exóticas invasoras estejam em vantagem em relação às espécies nativas.

A proliferação descontrolada ameaça o equilíbrio do ecossistema. Compromete a biodiversidade, a economia e a saúde humana.

Por serem predadoras de animais nativos, são a segunda maior causa de extinção de espécies no planeta. Muitas também são responsáveis por disseminar parasitas, doenças e pragas.

Impactam a economia por causar danos à pesca, à pecuária e à agricultura.

A introdução de espécies exóticas, seja intencional ou acidental, pode ocorrer de diversas formas: através de fenômenos naturais, turismo, transporte internacional, comércio, tráfico ilegal, caça e pesca esportiva e até mesmo o abandono de animais de estimação (como o guaxinim e a caturrita argentina).

Javali: uma das principais espécies invasoras no Brasil

Ele ameaça a biodiversidade por competir por recurso e espaço com espécies nativas e por promover alterações físicas profundas nos habitats. Prejudica a agricultura e a pecuária, é hospedeiro e vetor de zoonoses e de doenças. É o único animal cuja caça é permitida por lei no país.

22 de abril é Dia da Terra

Hoje é Dia da Terra, mas o clima não é de comemoração.
Ao longo desta sexta-feira, diversas atividades devem acontecer em mais de 200 países para alertar sobre a necessidade de tomarmos atitudes em defesa do planeta.

O lema escolhido para este ano também pressiona por investimento em soluções: Invista no nosso Planeta.

Instituído pela ONU em 2009, as atividades do Earth Day iniciaram em 1970 com um fórum ambiental que envolveu 20 milhões de pessoas nos Estados Unidos.

O movimento foi fundamental para a aprovação de leis ambientais pioneiras sobre emissão de gases nocivos e proteção de animais ameaçados de extinção.

De acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU, a última década registrou o nível mais alto de gases de efeito estufa da história.

Para que o aquecimento global fique dentro do limite estabelecido no Acordo de Paris (1,5ºC), as emissões devem parar de aumentar antes de 2025 e cair 43% até 2030.

Agora ou nunca

Segundo o relatório, temos somente três anos para que ainda exista um ponto de retorno no processo de aquecimento global.

Você conhece os animais considerados símbolos do Pantanal?

Na última segunda-feira foi ao ar o capítulo de estreia da regravação da novela Pantanal, da Rede Globo, que tem como cenário um dos mais ricos ecossistemas do mundo: 150.355 quilômetros quadrados de extensão que representam a maior planície alagável do planeta.

Localizado no Centro-Oeste do Brasil (sul do Mato Grosso e noroeste do Mato Grosso do Sul), no Paraguai e na Bolívia, são justamente as características geológicas do Pantanal que garantem condições favoráveis à vida de diversos animais

Abaixo, conheça seis animais que são considerados símbolos do Pantanal.

  1. Onça pintada

Considerada o maior felino das Américas e o maior carnívoro da América do Sul, impressiona pela beleza e pela força.O Pantanal abriga uma das mais importantes populações de onças-pintadas e é visto como o melhor lugar para observar e estudar a espécie.

2. Tuiuiú

Com população abundante no céu e nas águas pantaneiras, os tuiuiús dependem de áreas alagadas para caçar e se alimentar. Andam em grupos e são reconhecidos pelo pescoço preto com detalhe vermelho.

3. Ariranha

Ameaçada de extinção, o Pantanal abriga uma das mais importantes populações da espécie. As ariranhas estão sempre em grupo e também dependem de rios e lagos para caçar – são consideradas as onças das águas.

4. Arara-azul

A maior população de araras-azuis está  no Pantanal e representa um grande atrativo turístico para a região. É uma das mais inteligentes do grupo das aves. Está classificada como vulnerável na lista da União Internacional para a Conservação da Natureza.

5. Cervo-do-Pantanal

Ameaçada de extinção e totalmente dependente de áreas inundáveis, o Pantanal abriga a maior população conhecida da espécie. Pode pesar até 130 quilos e atingir mais de dois metros de comprimento.

Segundo estudo, ter animais de estimação retarda a perda de memória

Estudos anteriores já constataram que o vínculo com pets pode trazer benefícios à saúde dos tutores, como diminuir a pressão arterial e o estresse.

Esse novo levantamento mostra que ter animais de estimação também pode retardar a perda da memória e proteger contra declínios cognitivos.

Conforme a pesquisa, idosos com pets apresentaram declínio cognitivo mais lento em comparação com idosos que não têm pets. Os benefícios foram ainda maiores entre os que possuíam animais há cinco anos ou mais.

Realizado na Universidade de Michigan, nos Estados Unidos, o trabalho analisou dados cognitivos de 1.369 idosos com idade média de 65 anos. Deles, 53% possuíam animais de estimação e 32% eram tutores há mais de cinco anos.

Cães e gatos foram os pets mais frequentes; também haviam coelhos, hamsters, pássaros, peixes e répteis.

Como parte da investigação, os idosos realizaram testes de subtração, contagem numérica e recordação de palavras e foram acompanhados durante seis anos.

Curiosidade: conheça 5 animais com hábitos de dormir diferentões

Você já parou para pensar sobre os hábitos de sono de diferentes espécies de animais?

Pois aqui reunimos cinco cujas características são bem interessantes. Esperamos que vocês gostem dessas curiosidades – a gente adora!

1. Lontras-marinhas

Costumam dormir de mãos dadas com outras lontras-marinhas ou segurando em algas para evitar que as correntes de água separem o bando. Elas vivem principalmente no oceano e seus pelos, bastante grossos, conseguem reter minúsculas bolhas de ar, que permitem que elas flutuem sobre a água e durmam dessa maneira.

2. Suricatos

A hierarquia entre os suricatos é muito clara e se reflete até no modo como eles dormem: empilhados, com os líderes no meio, o mais protegidos possível. Normalmente, um grupo pode ter cerca de 40 suricatos.

3. Golfinhos

Quando adormecem, apenas um dos hemisférios cerebrais dos golfinhos entra em repouso, enquanto o outro permanece em alerta. Na prática, quer dizer que dormem com um olho aberto e outro fechado, sempre atentos a predadores.

4. Fragatas

Elas dormem enquanto voam. As fragatas conseguem manter as asas planando ao mesmo tempo em que repousam os dois hemisférios do cérebro. Elas fazem viagens muito longas e não podem descansar na superfície do mar porque suas penas não são impermeáveis.

5. Morcegos

Eles dormem de forma a conseguir alçar voo com agilidade caso precisem: de cabeça para baixo. Estando na posição certa e em local alto, os morcegos se deixam cair e começam a voar rapidamente se surge qualquer perigo durante o sono.

Dicas de filmes para as férias

Para aproveitar as férias escolares ou o fim de semana, reunimos cinco dicas de documentários cheios de imagens lindas e de informações legais sobre a vida dos animais. Esperamos que vocês gostem!

Nosso Planeta: nos oito episódios, paisagens magníficas do planeta Terra e imagens de animais raramente vistos se misturam a verdades angustiantes sobre o impacto da humanidade e das mudanças climáticas em todas as criaturas vivas.

A beleza secreta dos animais: a primeira temporada acompanha oito famílias de animais carismáticos e captura imagens inéditas – dos momentos mais emocionantes aos mais chocantes – para desvendar o universo de cada espécie.

Planeta Bizarro: no elenco, bichos peculiares. Na narração, a Mãe Natureza, que mostra a vida dos mais inacreditáveis animais em 12 episódios divertidos. Você vai mergulhar nas profundezas dos oceanos, ver rituais de acasalamento e conhecer seres estranhos.

A Terra à Noite: em seis episódios, a nova tecnologia desta série revela a vida oculta de diversos animais durante a noite, de leões caçando a morcegos voando, bichos da savana africana, do deserto peruano e também do fundo do mar.

A Vida em Cores com David Attenborough: além de belezas exuberantes, a série traz uma nova perspectiva para mostrar de que forma as cores ajudam os animais a sobreviver. Alguns se escondem, outros se exibem. Alguns iludem, outros enganam.

Espanha passa a considerar animais de estimação como membros da família

O congresso espanhol aprovou uma medida que retira os pets do estatuto jurídico dos bens materiais e os coloca na posição de “seres vivos dotados de sensibilidade”. Com a mudança, os animais deixam de ser classificados como coisas e passam a ter um status de membro da família.

Outras regras em relação a abandono, supervisão, registro e castração dos animais ainda estão em tramitação no país.

Abaixo, confira algumas medidas determinadas pela nova lei.

1. Cuidado de acordo com a espécie

O tutor deve garantir o bem-estar do animal conforme as características de cada espécie.

2. Divórcio

Em caso de divórcio ou separação dos tutores, a guarda deve ficar com um dos indivíduos ou, se houver acordo, pode ser compartilhada entre os dois. Em caso de disputa, a decisão caberá ao juiz. Também poderão ser determinadas as responsabilidades financeiras de cada tutor.

3. Violência familiar

Animais de estimação não podem ser usados como ferramenta de violência doméstica, sofrer maus-tratos ou ameaças para atingir ou controlar o cônjuge ou os filhos.

4. Inadimplência

Uma mudança no código civil coloca que animais não podem ser embargados como um bem em casos de inadimplência.

5. Animais perdidos

Quem encontrar um animal perdido deverá devolvê-lo ao tutor ou responsável e poderá reclamar os gastos com tratamentos ou cuidados com o pet. A determinação muda caso hajam indícios de maus-tratos ou abandono e, nesses casos, as autoridades competentes devem ser contatadas.

Que tal um game que leve o reflorestamento do mundo virtual para o real?

Uma dose alta de inspiração e esperança com a iniciativa de Ivan Neves, um garoto mineiro de nove anos que desenvolveu um game que vai trazer o reflorestamento do mundo virtual para o real.

Segundo Ivan, “uma árvore é a forma mais eficiente de salvar a natureza. Ela diminui o ruído, purifica o ar, é um abrigo para vários animais. Dessa forma todo mundo pode ajudar o planeta, e qualquer pessoa pode jogar, porque o jogo é simples e para todas as idades”.

O jogo se chama “Colete as Sementes” e, nele, a cada dez árvores virtuais plantadas, uma vai ser plantada pelas empresas anunciantes. O game ainda não foi lançado.

Ivan Neves é aluno da codeBuddy, escola de tecnologia especializada em programação, robótica e segurança digital para crianças e jovens de 7 a 16 anos.

Crédito da imagem: Arquivo Pessoal/Ivan Neves

Pesquisa revela a percepção de professores e responsáveis sobre o papel do pet no desempenho escolar

A pesquisa inédita foi realizada pela Mars Petcare no Brasil, que ouviu as percepções de professores, pais e responsáveis por crianças e adolescentes entre 5 e 17 anos sobre os benefícios potenciais dos animais de estimação durante o período de isolamento e o impacto no desenvolvimento escolar.

O resultado é de aquecer ainda mais o coração com o papel desses bichinhos nas nossas vidas. Você pode conferir abaixo.

Entre os professores:

  • 79% notam que os alunos se sentem menos estressados na sala de aula virtual quando o pet está por perto.
  • 83% acreditam que a interação com o pet é importante para reduzir a ansiedade.
  • 87% acham que ter um animal de estimação em casa ajuda as crianças a se sentirem menos solitárias.
  • 82% dizem que ver o pet dos alunos os ajuda a criar laços com as crianças.

Entre pais e responsáveis:

  • 77% percebem que a criança se sente mais motivada para a aula quando o animal de estimação está por perto.
  • 68% afirmam que a interação com o pet ajuda a criança a se relacionar com os colegas.
  • 73% acreditam que a interação com os pets beneficia a saúde mental das crianças.
  • 88% concordam que o animal de estimação ajuda a criança a sentir menos sozinha.